quarta-feira, 14 de agosto de 2013

Crianças com seletividade e recusa alimentar - uma questão de processamento sensorial

Ana Elizabeth Prado
Crefito 3/1670 TO

A questão alimentar tem sido um lamento para algumas mães e sofrimento para seus filhos!
Nem toda restrição alimentar tem como base a Disfunção de Processamento Sensorial (DPS). Porém, muitas crianças que têm esta disfunção passam anos de estresse por não serem compreendidas na sua real causa de restrição alimentar. Infelizmente, muitos profissionais ainda se negam a olhar pelo campo sensorial.
Podemos considerar que há uma série de fatores que influenciam na prática alimentar, dentre eles: as relações parentais, preferências pessoais, condições de saúde, fase de vida, hábitos familiares e contexto sócio-cultural.
Mas desta vez irei abordar sobre o trabalho com crianças que apresentam dificuldades em processar as sensações do seu próprio corpo e do ambiente, e que, devido a isto, apresentam seletividade a alimentos e muitas vezes recusam em alimentar-se.
Em primeiro lugar é preciso olhar todo o comportamento da criança para levantar se existem outros dados de alteração no processamento sensorial. Por isso é importante uma avaliação criteriosa com um profissional especializado. É importante os pais aprenderem a observar os dados relevantes do comportamento do seu filho e valorizar a integração dos sentidos nas ações cotidianas.
Esta disfunção de origem neurológica pode afetar o desenvolvimento de muitas crianças prejudicando o seguimento das etapas do desenvolvimento infantil, aprendizagem acadêmica e relacionamento social.
Qualquer criança, jovem e adulto pode apresentar estas dificuldades. Há uma tendência genética por ser comum a existência em mais de um membro da família.
É frequente também encontrar a DPS associada a bebês prematuros, crianças do espectro autista, com síndromes genéticas e naquelas onde ocorreu algum dano cerebral.
De maneira geral há alguns pontos principais no comportamento da criança que interessam saber para fazer um mapeamento do dia-a-dia:
-se a criança responde de maneira exagerada a sons, movimentos, estímulos visuais, toque corporal, texturas, temperaturas e sabores. Se evita situações do dia, ambientes, pessoas, objetos, alimentos e certas brincadeiras.
- ou pelo contrário há uma resposta diminuída aos estímulos sensoriais havendo uma busca incessante por alguns destes estímulos demonstrando ter um comportamento diferente de outras crianças. Inclusive com pouca resposta a dor.
- se há problemas na organização e sequência do movimento intencional, ou atraso na coordenação motora ampla e fina
- se há dificuldades de atenção e memória
- se há atraso na linguagem.
- se há sintomas de medo, ansiedade e insegurança.

Havendo estes sintomas associados ao quadro de restrição alimentar provavelmente a criança se beneficiará com um programa de terapia ocupacional com abordagem na integração sensorial, além de outros profissionais que forem necessários de acordo com a história e comprometimento de cada um..



Lembretes: 
1- antes de tudo, tente compreender as aversões e preferências de seu filho. Elas irão mostrar o caminho de se construir uma boa relação. Pergunte a terapeuta do seu filho. Leia sobre Integração Sensorial.
Funciona muito bem quando cada um faz o exercício consigo, ou seja, perceba as suas próprias preferências sensoriais, suas reações frente a demanda do meio, os horários e disposições diferentes no decorrer do dia.
2- todo comportamento quer dizer algo sobre a pessoa. Entenda que a recusa alimentar em crianças com sintomas de DPS não é birra. É impossibilidade em processar algum tipo de textura, volume, quantidade e/ou temperatura dos alimentos. Além disso, a percepção de saciedade também é uma habilidade de base sensorial e difere muito para cada criança.
3- nunca force a criança a aceitar algo aversivo a ela. Entenda que a modulação e a discriminação das sensações muitas vezes estão alteradas. O que para um pode ser um prazer para outros pode ser um terror.
4-o quadro de DPS  pode se modificar mediante tratamento e pela adequação de hábitos no cotidiano.

Quer saber como?
Leia 10 dicas para ajudar no processamento sensorial em crianças com seletividade e recusa alimentar



36 comentários:

  1. Olá, Ana Elizabeth! Tenho uma filha de 3 anos que apresenta um quadro de recusa alimentar extrema. Ela também apresenta sinais de Disfunção do Processamento Sensorial, mas a dificuldade para encontrar um profissional que trate do problema é enorme. Moro em Goiânia e já procurei pediatras e nutricionistas e ouvi pérolas do tipo: Ela não come porque é preguiçosa e mimada; Se você se recusar a dar os alimentos que ela come em uma semana ela aceitará outros; Ela não come porque o cardápio que você oferece não é interessante...
    Você conhece algum terapeuta em Goiânia que possa me ajudar? Ou existe algum Conselho da classe, associação de profissionais que eu possa procurar para pedir uma indicação?
    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, realmente deve ser dificil p vc e sua filha. Entre em contato por email aeoprado@uol.com.br para falarmos melhor. Vou procurar com os meus contatos uma terapeuta ocupacional especializada em Integração Sensorial e passo p vc. Bjs

      Excluir
    2. Olá Má, meu sobrinho Biel, ele não é autista, mas sofre (ou sofria) de seletividade alimentar. O que o pai dele começou a fazer e está ajudando MUITO foi desafiar o Biel a experimentar novas coisas, filmar e postar no Youtube. O resultado está sendo ótimo, Biel está muito mais aberto a novidades na alimentação. O mais legal é que li comentários de pessoas que assistiram ao vídeo com o filho dizendo q está ajudando.

      Como a abordagem é bem diferente, queria saber a sua opinião sobre ela. Será que pode ajudar a sua filha?

      Se chama: Prova Isso Filho, os vídeos estão aqui: https://www.youtube.com/channel/UCDRIqSr0tHLdfiMks90_6lA

      Obrigado

      Excluir
    3. Que ótimo. Vou assistir e depois comento.

      Excluir
    4. Que ótimo. Vou assistir e depois comento.

      Excluir
  2. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  3. Olá! Sou TO e tenho uma filha de 1 ano que recusa completamente todos os alimentos (sucos, frutas e papas), independente de como os ofereça.
    Já fiz tudo que podia fazer em casa e a 1 mês ela está fazendo fono. Tivemos poucos avanços, ela agora "aceita" papa apenas na escova elétrica e em pouca quantidade, 2 colheres de sopa, isso quando aceita.
    Quero saber se você tem alguma sugestão é quais devem ser minhas expectativas. Estou começando a desanimar e me conformar...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Dora. Não desanime...e no lugar de se conformar podemos tentar compreender, saber ler os sinais e experimentar novos caminhos. Nunca se deve forçar ou "deixar pra lá", mas buscar meios mais apropriados. Isto requer tempo, criatividade (e paciência) e o que vai mais ajudar vocês agora provavelmente seja a ajuda de um profissional com especialização em Integração Sensorial. Converse com a fono se ela não recomendaria também uma avaliação com uma terapeuta ocupacional. Quanto mais cedo, melhor. Sobre te dar dicas, envie mais informações por email aeoprado@uol.com.br contando como sua filha se comporta no banho, na hora de dormir, no contato com as pessoas, brincadeiras, na hora de colocar e tirar a roupa, sapato...COMO ela reage e procura envolver-se nas atividades cotidianas de sua idade. Espero seu contato. bjs

      Excluir
  4. Olá. Tenho uma filha de 4 anos, que parou de comer há pelo menos dois. Já fizemos algumas tentativas de deixá-la com fome, mas não houve sucesso, ela alega não gostar de comida. Ela é a filha do meio, tem um irmão de 7 anos e uma irmã de 3 anos. Quando tentamos lembrar de algum ocorrido próximo quando ela deixou de comer, associamos aso nascimento da irmã, que tem idade muito próxima. Sou do RJ e gostaria de saber se conhece algum profissional que possa nos ajudar. Obrigado
    Marcos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Marcos. A seletividade alimentar tem várias causas. Algumas vezes estão combinadas devido a corregulação emocional e sensorial. Ás vezes uma predisposição pode ser desencadeada por um evento importante da vida da criança. Por isso deve ser avaliada com critério e priorizar qual profissional será mais adequado. Mande uma msg para mim pelo email aeoprado@uol.com.br que conversaremos melhor para indicação em sua cidade. Abraços

      Excluir
  5. Olá. Tenho um filho de 3 anos ele tem PC e micro e possui essa seletividade extrema, a mesma coisa que ele gosta hoje, não gosta amanhã e ele não tem ganhado peso, tenho lutado para ele comer bem evitando a gastrostomia indicada justamente pq ele se recusa a comer beber água e alguns sucos, estavamos tendo problemas com deglutiçao mas já estamos fazendo terapia para melhorar e realmente houve melhora, estou perdida nem sei por onde começar por favor me ajudem achar uma possivel solução para que eu possa tentar todas as formas de estímulos para por ultimo caso pensa na gastrostomia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Rhayssa. Seu filho precisa de uma avaliação de uma terapeuta ocupacional especializada em Integração Sensorial, com domínio da área de alimentação para integrar à equipe que ele vem sendo acompanhado. E só assim ser discutido sobre a real possibilidade. Qualquer dúvida pode me enviar mensagem no email aeoprado@uol.com.br

      Excluir
  6. Boa tarde, sou fonoaudióloga da Apae e tenho um paciente de 2 anos com agências de corpo caloso, que está se negando a comer qualquer alimento, já tentamos de todas as formas, estou trabalhando a sensibilidade oral mas a mãe está muito ansiosa, ele não está comendo nada, oq poderia fazer para ajuda lo melhor? Meu e-mail é paula.ruiz68 @hotmail. com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Paula. veja se na sua cidade tem alguma terapeuta ocupacional com formação em Integração Sensorial para fazer uma avaliação detalhada e verificar todos os sistemas. Muitas vezes há alteração de modulação sensorial em alguns sistemas. Deve ser traçado um programa após a avaliação onde a terapeuta ocupacional pode auxiliar o trabalho da fonoaudiologia e vice-versa. Qualquer dúvida pode entrar em contato pelo email aeoprado@uol.com.br

      Excluir
  7. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  8. Ola Ana Elizabeth!
    Meu nome é Cintia. Minha filha, Maria, completará 2 aninhos e de 1 ano pra cá ela não aceita mais nenhum tipo de fruta! Já tentei de tudo e não sei mais o que fazer pra ela comer. Ela se recusa e se for algo pra sua boca ela cospe sem ao menos sentir o gosto. Eu fico preocupada com o fato dessa "fase" não passar.Ela mostra ser muito desconfiada e preconceituosa com alimentos. Você poderia me indicar algum terapeuta? Sou de São José dos Campos -SP. Muito obrigada e parabéns pelo trabalho!

    ResponderExcluir
  9. Olà, meu nome e Adrielly tenho um pequeno de quase 4 anos que nunca comeu NADA SOLIDO!!!!!!! Somente algumas papinhas danoni, leite e agua!!!! Gente eu nao sei mais oque fazer!!!! Drika_atl@hotmail.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Adrielly. Não deve ser fácil mesmo. Para saber se seu filho tem seletividade de origem sensorial ele precisa passar por uma avaliação de Integração Sensorial feita por terapeuta ocupacional com formação nesta área. Boa sorte. Pode entrar em contato por email. aeoprado@uol.com.br

      Excluir
  10. Olá, Elizabeth, boa tarde. tenho um filho e convivo com esse tormento desde os primeiros meses de alimentação do meu filho, que hoje tem quase 6 ANOS,alimentação restrita, ele só aceita um tipo de biscoito,come ele por 6 meses a 7, depois substitui por outro e assim é com todos os outros alimentos, não alimenta na casa de pessoas estranhas d e forma nenhuma, tempero qualquer modificação não aceita, não come em restaurante, festas,não come nada que uma criança gosta, bala, doces, salgados, cachorro quente,batata frita... Alimentação se resume: manhã: leite com mucilon e sustagem só de morango fruta banana, comida, arroz, ovo, carne picadinha e ovo, agora a menos de 6 meses começou a aceitar o caladinho de feijão, mínimo, muito pouco misturado e só, isso a 5 anos o cardápio, já procurei, Neuro, especialistas, pediatras, mesma coisa, precisa insistir, precisa tentar, mas não tenho mais o que fazer, não sei mais o que fazer, lendo esta matéria, começo a pensar sobre a possibilidade de DPS, aqui em casa, como de tudo, apresentamos de tudo.. Tem indicação de profissional em BH? Por favor me ajude! Fui a um pique nique da escolinha, durante o momento da alimentação ele praticamente se escondeu para não se aproximar, parece que comer o perturba. elen.desa@yahoo.com.br

    ResponderExcluir
  11. Ana Elizabeth , meu nome é Bruna e tenho um sobrinho de 1 ano e 10 meses, ele nasceu com anoftalmia bilateral, e apresenta um atraso motor, pois ainda não anda, não engatinha, só senta quando é forçado e mesmo assim com dificuldades de equilíbrio.
    Há alguns meses ele começou uma recusa alimentar, e chegou a um estado extremo, pois ele só aceita água, e quando está dormindo bebe o mingau na mamadeira. Todo a alimentação tem que ser dada a força.
    Ele também não se interessa em pegar nenhum objeto, nem brinquedos ele pega. Por ele ser cego, tem muitos brinquedos sonoros, mas ele nao tem interesse por nenhum. Quando colocamos um objeto na mão dele e solta na hora e fica nervoso.
    Ele faz um acompanhamento numa escola especializada em cegos, mas hoje tem sido trabalhado mais a questão motora, para que ele comece a engatinhar e a pediatra disse que deve continuar dando a comida a força, pois ele não pode ficar sem comer!
    Existe algum tratamento que pode ser feito? é um terapeuta ocupacional que pode auxiliar nesse caso?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Bruna. Algumas crianças cegas podem ter alteração de Integração Sensorial. Existe tratamento para isto e você deve procurar uma terapeuta Ocupacional para fazer uma avaliação de Integração Sensorial. Irá ajudar no bem estar e desenvolvimento dele e, inclusive ajuda a evolução nos outros programas. Boa sorte

      Excluir
  12. Olá! Meu nome e Lilian , também tenho sofrido com a questão alimentar do meu filho ele esta com quase três anos agora, se alimentava com sopinhas que introduzi quando a pediatra me orientou, passado algum tempo ele se recusou a comer comida tipo arroz ,feijão n carne verduras e legumes ... Come so pao com,presunto e queijo , tapioca com,presunto e queijo e ovo, sucos de caixinha , pao de queijo , bolacha , Danone ele adora frutas la quando em vez um,morango 🍓 e muito seletivo bombom ele come so o chocolate de fora não come de dentro , não sei o q faço.. Ele e uma criança perfeita , não tem nenhum tipo de doença física , eu noto apenas que ele e um pouco ansioso mas seu desenvolvimento na escola e normal brinca e inteligente tem uma boa socialização, mas la junto com os colegas tbm não come so quando e bolacha e suco ele come. Não sei o que fazer ja fui no gastro ,nutrologa , ela me disse que ele precisa de uma reeducação alimentar mas não resolveu , ofereço coisas saudáveis e no,horário mas... Ele continua resistente e não come comida ,so come o que citei acima . Me ajude não sei o q fazer ! Quem devo procurar????

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como já comentei em outras mensagens seu filho precisa de uma avaliação de uma terapeuta ocupacional especializada em Integração Sensorial, com domínio da área de alimentação para integrar à equipe que ele vem sendo acompanhado. Precisa ser investigado se é de origem sensorial. Isto não é uma doença, mas pode ser uma imaturidade ou funcionamento alterado na regulação da sensação. Qualquer dúvida pode me enviar mensagem no email aeoprado@uol.com.br

      Excluir
  13. Olá Ana Elizabeth! Gosto bastante da integração sensorial, mas acho temeroso uma criança com os sintomas acima descritos ser tratada por uma TO. Essas crianças, em geral, apresentam alterações no processo mastigatório, de deglutição e até mesmo disfagia com risco de bronco-aspiração, em alguns casos. O profissional habilitato e que tem licença federal para esse tratamento eh o fonoaudiólogo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lili, grata pelo seu comentário. Sugiro que você leia atentamente a postagem e os comentários nos quais coloco a importância do trabalho multidisciplinar e que nem sempre os distúrbios alimentares são de origem sensorial. Aproveito a oportunidade e lhe digo que trabalho há muitos anos em conjunto com fonoaudiólogas pelas quais sou fã e reconheço a competência profissional. O trabalho em parceria é essencial nos casos de disfunção de integração sensorial. Dentro de uma equipe de criança com distúrbiso alimentares podemos contar com fonoaudiólogo, terapeuta ocupacional, psicólogo, nutricionista, pediatra e gastro. Caso queira discutir mais a fundo e entender meu trabalho pode enviar mensagem por email aeoprado@uol.com.br

      Excluir
  14. Olá,como as demais mães tb sofro com esse problema.Será que VC pode me informar dicas um profissional em minha cidade (Nova Friburgo -RJ). Minha filha já tem 13 anos. É a primeira vez que ouço falar nessa disfunção. Aguardo retorno. Obg

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Fernanda. Vou procurar. Por favor, me envie uma mensagem p email aeoprado@uol.com.br

      Excluir
  15. ola me chamo natanieli e meu filho nicollas, ele tem 3 anos e 3 meses e ja faz 2 anos e meio que meu filho não se alimenta , ele comecou com a recusa alimenatr com 10 meses de vida, começou a ser seletivo e cada dia que passava os alimentos que ele aceitava diminuia e quando ele completou seu 1° ano , ele ja não se alimentava de nada , nada mesmo , ele não aceita nen bobagens que crianças gosta , ele só aceita leite, graças a Deus ele não sofre problemas de peso e nen estatura , mais não sei mais o que fazer , meu filho tem nojo de tudo ate de pisar na grama molhada ou em terra , parquinho só de sapato , me ajude por favor vc sabe se o sus oferece esse tipo de especialista ? sou de rio claro interior de são paulo

    ResponderExcluir
  16. Olá, Natanieli. Não sei ao certo responder sobre na saúde publica. Fiquei sabendo de algumas iniciativas no interior de SP vinculado a empresas...vou verificar e informo por email. Mas veja se o curso de Terapia Ocupacional em uma faculdade mais próxima a você oferece este serviço. Boa sorte.

    ResponderExcluir
  17. Poderia me informar a respeito de profissionais da área em Salvador Ba?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Liana. Entre em contato por email aeoprado@uol.com.br

      Excluir
  18. Olá, meu filho tem 12 anos e come poucos alimentos, ele gosta de leite com chocolate, come pão de hot dog, almoça bem, eu tenho que esconder as misturas picando bem picadinho, os legumes também, mas não gosta de jantar, só que às vezes faço pastel, mas não sempre.E ele toma só o leite com chocolate.Não sei como vou fazer, pois ele é grandão e não pode ficar só no leite na hora da janta.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Aparecida. Primeiramente é importante vc conversar com o pediatra de seu filho para este encaminhá-lo ao nutricionista para orientar uma dieta. Muitos são os fatores que interferem na seletividade alimentar. E muitos são os profissionais que estão envolvidos a depender de cada criança, dentre eles fonoaudióloga, psicóloga e terapeuta ocupacional. Esta última é necessária se a criança tiver alguma alteração de processamento sensorial. O ideal é investigar qual a origem da seletividade para verificar se é necessário uma intervenção terapêutica. Espero ter esclarecido. Boa sorte.

      Excluir
  19. Olá meu nome é Nilza, tenho um filho de 4 anos e descobri recentemente que a causa dele ter parado de se alimentar há dois anos é pq ele tem Transtorno alimentar seletivo , a pediatra dele é maravilhosa, mas muito perdida no assunto, somos do RJ se puder me indicar profissionais especializados eu serei eternamente grata, pois estamos rodando em diversos e nenhum conhece o transtorno. Desde já grata.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nilza, é necessário ele passar por uma avaliação de terapia ocupacional com formação em Integração Sensorial e distúrbios alimentares. Procure no site da Associação Brasileira de Integração Sensorial uma mais próxima de vc. Qualquer coisa pode me procurar por email aeoprado@uol.com.br
      Grata pelo contato. Boa sorte!

      Excluir
  20. Olá Ana, legal o artigo, obrigado. O meu sobrinho Biel tinha seletividade alimentar e o pai dele "curou" criando um programa no YouTube desafiando, de maneira divertida, o Biel a provar coisas novas. Isso inclusive tem ajudado outras crianças q assistem ao canal. Se chama: Prova Isso Filho. https://www.youtube.com/channel/UCDRIqSr0tHLdfiMks90_6lA

    Oq você acha desse tipo de abordagem?

    Abraços
    Pedro

    ResponderExcluir